Pular para o conteúdo principal

ADERÊNCIA E CUMPRIMENTO AO PLANO DE LAVRA. POR JONY PETERSON

Olá pessoal tudo bem? O artigo dessa semana homenageia os coordenadores do evento VII Fórum de Mineração da UFPE, onde tive a honra de palestrar sobre o assunto “Aderência e cumprimento ao plano de lavra” já discutido aqui no blog. No artigo de hoje, vou expor dois estudos de caso os quais apresentei na palestra e discutir qual seria a conclusão dos dois.
A aderência mede a área onde foi lavrado dentro do planejado. Matematicamente a fórmula ficaria da seguinte forma:
ADERÊNCIA = PLANEJADO REALIZADO/(PLANEJADO REALIZADO + REALIZADO NÃO PLANEJADO) * 100
·         Exemplo 01:
Foi planejado uma área de 800m², sendo efetivamente lavrado uma área de 600m² dentro do plano e nenhuma área lavrada fora do planejado, logo:
ADERÊNCIA = 600/(600+0)*100 = 100%
·         Exemplo 02 :
Foi planejado uma área de 1250m², sendo efetivamente lavrado uma área de 1010m² dentro do plano e lavrado fora do plano 300m²:
ADERÊNCIA = 1250/(1250+300)*100 = 80,6%
Quanto ao cumprimento, este mede relação em toneladas e/ou volumes planejados efetivamente lavrados. A fórmula ficaria:
CUMPRIMENTO = PLANEJADO REALIZADO/(PLANEJADO REALIZADO + PLANEJADO NÃO REALIZADO) * 100
·         Exemplo 01:
Foi planejado retirar 15.435m³ de um determinado minério, sendo lavrado dentro do plano um volume de 15.200m³, logo:
CUMPRIMENTO = 15.200/(15.200 + 235) * 100
 235m³ é a diferença entre o volume planejado e o volume lavrado
 15.435-15.200=235m³
Já conhecemos como funciona a matemática aplicada a este tema. Agora vamos aos estudos de caso.
Estudo de caso 1:

Foi enviado pelo planejamento de mina o limite de cava para um período de três meses (limite em azul). Após o término do período a equipe da topografia efetuou o levantamento do limite realizado (limite em vermelho).




Analisando a imagem temos:



Analisando a topografia chegamos a seguinte conclusão:
A região em amarelo é a área efetivamente lavrada = 65.325m²; a região em verde é a região dentro do plano que não foi lavrada = 35.432m²; já a roxa é a lavrada fora do plano = 5.738m².
Logo o cálculo será:
ADERENCIA = 65.325/(65.325 – 5.738)*100 = 91.9%
A tonelagem planejada foi de 120.000 t, sendo efetivamente lavrado 76.221 t, ou seja, refere-se a região em amarelo, logo o realizado não planejado foi de 43.779 t.
O cálculo será:
CUMPRIMENTO = 76.221/(76.221 + 43.779)*100 = 63.5%
Conclusão proposta:
O planejamento de mina enviou os dados para a operação de mina, informando sobrea lavra fora do planejado e os valores de aderência e cumprimento. A operação de mina respondeu que a lavra fora do planejado foi por conta da geologia, onde o corpo de minério do modelo não foi o que aconteceu na realidade. Logo, esta região lavrada fora não deve impactar a aderência. Pergunto aos leitores: De acordo com o que foi explicado pela operação de mina, o valor da aderência deve aumentar?
Estudo de caso 2:
Foi enviado pelo planejamento de mina o limite de cava para um período de três meses (limite em azul). Após o término do período a equipe da topografia efetuou o levantamento do limite realizado (limite em vermelho).  Semelhante ao estudo anterior, pois ocorreu na mesma mina.






Analisando a topografia chegamos a seguinte conclusão:
A região em amarelo é a área efetivamente lavrada = 66.112m², não teve nenhuma região lavrada fora. Analisando o cumprimento observou que a tonelagem planejada foi de 135.000 t, sendo efetivamente lavrado 139.580 t.
Logo o cálculo será:
ADERENCIA = 66.112/(66.112 – 0)*100 = 100%
O planejamento de mina questionou o valor, pois a área lavrada foi inferior ao planejado e retirou mais minério. Logo, criou-se um perfil longitudinal na cava e foi visto a seguinte configuração abaixo:




A cava foi aprofundada a mais que o planejado, porém  concluiu-se o planejado.
Conclusão proposta:
O planejamento de mina enviou os dados para a operação de mina, informando sobre a lavra fora do planejado e os valores de aderência e cumprimento. A operação de mina respondeu que não lavrou fora do planejado, porém precisou abaixar um nível para concluir a tonelagem prevista. Pergunto aos leitores: De acordo com o que foi explicado pela operação de mina, o valor de aderência e cumprimento deve ser impactado por essa redução de um nível da cava?

Ambas as conclusões dos estudos de caso dão margens para diversas interpretações. O mais importante é que antes de ser implementada esta medição de aderência e cumprimento devem-se criar as regras, pois esta medição tem a função de melhorar a gestão da operação de mina. Por exemplo, largura de berma não deve ser inferior a 20 metros, o limite da cava corresponde a largura, altura e profundidade. O modelo de blocos geológico deve corresponder ao mais próximo da realidade, porém deve existir uma margem de tolerância no momento da medição.

Pois bem pessoal, espero que tenham gostado desse artigo e que ele faça nascer nas mentes de vocês leitores e profissionais de mineração, a semente da tolerância em relação a esse assunto, ainda tão polêmico na mineração, porém muito necessário para que a mina continue economicamente viável até seu fechamento.

Jony Peterson De Oliveira Lima
jony_lima@yahoo.com.br
“Não se gerencia o que não se mede,
não se mede o que não se define,
não se define o que não se entende,
e não há sucesso no que não se gerencia
(William Edwards Deming)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…